Publicações

 

Paulo Hirai e Ugo Ibusuki

Autor

Artigo sobre o setor automotivo brasileiro para a HIDA/AOTS Research Institute

http://gij.aots.jp/files/6zy3f4sps6csbpfm48fw-a4fc49a8.pdf/HIDA-AOTS+Alumni+report

 

Nas últimas duas décadas, o Brasil passou por um processo de desindustrialização devido, em grande parte, a decisão macroeconômica do país de supervalorizar o Real (moeda do Brasil), como parte da política para controlar a hiperinflação. A receita do setor de autopeças passou de US $ 12,2 bilhões em 1990 para US $ 11,3 bilhões em 2002 e para US $ 41,8 bilhões em 2012. No entanto, as importações evoluíram de US $ 0,8 bilhão em 1990 para US $ 4,1 bilhões em 2002, atingindo US $ 16,3 bilhões em 2012. Enquanto as receitas totais cresceram um pouco mais de três vezes, as importações cresceram quase 20 vezes no período. A concorrência das importações fez com que muitos fabricantes locais se tornassem não rentáveis.

 

Depois de anos de supervalorização, o Real está finalmente voltando à paridade de poder de compra, evoluindo de R $ 1,70 por dólar em 2012 para os atuais R $ 3,80 por dólar. O governo brasileiro lançou o INOVAR-AUTO, um programa para incentivar o uso de mais autopeças fabricadas no Brasil (Mercosul), para aumentar a eficiência automotiva e fomentar a inovação, entre outros objetivos. A atual balança comercial negativa do país está influenciando o governo a fornecer apoio à indústria local. Este programa de incentivo foi definido pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio do Brasil.

 

Para se qualificar para os incentivos fiscais significativos (até 30% do preço de venda de veículos), as montadoras têm que aumentar o uso de autopeças feitas localmente (Mercosul), ao mesmo tempo melhorar a eficiência do automóvel. Esse novo ambiente cria um desafio para as autopeças brasileiras fabricantes, pois a maioria deles não possui a tecnologia ou a solidez financeira necessárias para atender às exigências. Isto representa uma grande oportunidade para os fabricantes japoneses de autopeças que têm a necessária tecnologia para entrar no mercado brasileiro.

Ugo Ibusuki

Autor

Capítulo do livro La encrucijada del autopartismo en América Latina

 

O que é mais conveniente para a América Latina: montar 10 milhões de veículos finais ou duplicar sua produção de autopeças?

 

O que é mais viável implementar para a promoção da produção de autopeças na região: uma nova etapa de industrialização por substituição de importações ou acordos globais de exportação com os principais terminais do complexo automotivo?

 

Até que ponto a nova onda protecionista mundial, limitada políticas de promoção regionais do setor, e como ele pode afetar a América Latina autopartismo e a dissolução dos principais acordos comerciais regionais no setor (anexo 300 da NAFTA e ACE-14 CAP) ?

 

Quais fatores explicam por que o déficit comercial de autopeças nos últimos anos foi maior do que a soma dos saldos comerciais de todos os demais bens da América Latina?

 

Para responder a estas e outras questões cruciais para o desenvolvimento industrial da América Latina, ligadas à dinâmica do complexo setor geral automobilístico e de autopeças em particular, apresentamos esta obra coletiva intitulada La encrucijada del autopartismo en América Latina. Ao longo de seus 11 capítulos, cerca de trinta pesquisadores de três continentes desenvolveram uma análise profunda do problema autopartista combinando três abordagens complementares: 1) Caracterização setorial; 2) Políticas e regulamentos regionais específicos; e 3) Estudo de casos específicos da indústria de autopeças na América Latina.

Abraham Sin Oih Yu

 

Coordenadores

  • Abraham Sin Oih Yu
  • Afonso Carneiro Lima
  • Paulo Tromboni de Souza Nascimento
  • Rosária de Fátima Segger Macri Russo
  • Willy Hoppe de Sousa

Autores

Alceu Salles Camargo Júnior; Alvair Silveira Torres Junior; Antonio Luiz Rocha Dacorso; Claudia Fernanda Franceschi Klement; Fabiano Rodrigues; Gilnei Luiz de Moura; Inácio Hideo Shibata; Joaquim Rocha dos Santos; Jorge Luís Durgante Pasquoto; Sandra Lilian de Oliveira Façanha; Walter Bataglia.

José Sobrino

Autor

Es ingeniero electricista de la Universidad Nacional del Callao, maestro em Ciencias com mención em Ingenieria de Sistemas de la Universidad Nacional de Ingenieria, MBA em el Instituto de Estudios Bursátiles de Madrid, adscrito a la Universidad Complutense de Madrid. Tiene experiencia em las áreas de mantenimiento industrial, proyectos de ingenieria, sistemas de información y proyectos de automatizacion y especializacion em temas de calidad y herramientas de mejora continua por la APTS em Japón. Es professor de la Maestria de Operaciones y Logística de la Universidad Peruana de Ciencias Aplicadas y de la Pontificia Universidad Católica del Perú em cursos de posgrado de Especializacion de Mantenimiento y Confiabilidad. Asimismo, es consultor y docente en cursos de especialización em Tecsup.

 

Participo como evaluador del Premio Nacional a la Calidad organizado por el CDI de la Sociedad Nacional de Industrias y auditor del ISSO 9001 y 14000 em Incontec Perú. Certificado em la norma PAS 55 por The Institute of Asset Management (IAM).

 

Ha participado em congresos internacionales em temas de las 5S y TPM, com capacitación em gestión de mantenimiento em Estados Unidados, Italia, Argentina y Chile. Se demepeña como gerente geral de Alpha Manufacturas S.A.C. y de Digital Education Perú. De igual forma, es gerente de mantenimiento y proyectos em empresas de prestigio como San Miguel Industrial, Austral Group S.A.A., Lucchetti Perú, Embotelladora Latinoamericana (Coca-Cola), Embotelladora del Pacífico (Pepsi Cola), entre otras.

Kenji Nakata

Autor

Formado em engenharia mecânica de minas pela Universidade de Akita, Kenji Nakata é consultor de órgãos governamentais do Japão. Participou de várias missões oficiais de cooperação da JICA (Agência de Cooperação Internacional do Japão) fora de seu país. Numa delas veio ao Brasil para realizar um trabalho de suporte técnico a empresas brasileiras, em conjunto com o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) de São Paulo, no processo de implantação dos 5S. Terminado o programa decidiu obter o visto permanente. Atualmente é palestrante e consultor, desenvolvendo novas técnicas para aumento da produtividade e orientando a prática de relacionamento entre especialistas em áreas diversas e atividades em grupo. É autor de três livros editados em japonês, tendo um dele chegado a 25ª edição.

www.nakatakenji.net

e-mail:penakatakenji@yahoo.co.jp